Jornada do Empreendedor Matriz: investimentos

Agora que a empresa já está constituída, funcionando e gerando lucro (consulte o seu contador para validar o lucro do seu negócio), podemos utilizar os recursos para reinvestir e continuar crescendo!

Os investimentos no negócio podem ser estratégicos em relação a operação e divulgação, como por exemplo a contratação de um software mais eficiente, a criação de campanhas publicitárias ou dinâmicas de grupo entre os colaboradores para aumentar a produtividade.

Contudo, no último conteúdo da série Jornada do Empreendedor trataremos de outro tipo de investimento, o investimento dos recursos financeiros.

A partir do momento que o dinheiro é aplicado em instituições financeiras, tanto as pessoas físicas como as pessoas jurídicas recebem uma rentabilidade referente ao valor aplicado. Ou seja, em vez do dinheiro ficar parado na empresa ele passa a gerar rendimentos, que podem ser utilizados para pagamento de despesas, por exemplo.

Contudo, existem algumas diferenças entre os investimentos para pessoas físicas e jurídicas.

As empresas contam com algumas restrições em relação a disponibilidade dos produtos, estando alguns deles disponíveis diretamente apenas para pessoas físicas, como é o caso do Tesouro Direto.

Além disso, existe uma diferença tributária nas aplicações, como por exemplo em alguns tipos de investimentos a isenção do Imposto de Renda só é válida para pessoas físicas (Ex.: LCI, LCA, FII’s, etc.).  

É importante ressaltar que antes de aplicar os recursos, o perfil de investidor das empresas também precisa ser avaliado, assim como na pessoa física, para entender qual o tipo ideal de investimento diante da expectativa de retorno e da sensibilidade ao risco do negócio.

Além disso, é importante estar atento a liquidez das aplicações, ou seja, o prazo que aquela aplicação pode ser resgatada e convertida em dinheiro. Como por exemplo, no caso de o valor aplicado ser utilizado para pagar as despesas do negócio no dia a dia, ou compor a reserva de emergência, o ideal é aplicar os recursos em liquidez diária para resgate sempre que necessário.

Para um gerenciamento ideal das aplicações dos recursos financeiros da empresa, contacte um consultor financeiro de sua confiança. O consultor pode avaliar qual o tipo de investimento ideal para a sua empresa em busca de atingir os objetivos de curto, médio e longo prazo.

A Matriz Contábil conta com profissionais experientes e capacitados em consultoria financeira para ajudar a você e a sua empresa a escolher o melhor caminho para o gerenciamento dos recursos e investimentos.

Vale ressaltar que um passo importante para realizar antes de planejar a aplicação dos recursos é a previsão do caixa. Desse modo, conseguimos estudar e aplicar o gerenciamento das receitas e despesas do negócio e manter o dinheiro aplicado por mais tempo para obter consequentemente mais retorno.

Quer saber um pouco mais sobre como prever o seu caixa? Acesse o nosso e-Book gratuito. Clique no link e baixe o PDF ou solicite através do nosso WhatsApp: (81) 99860-0157

✅  Jornada do empreendedor: Plano de negócios
✅  Jornada do empreendedor: Como abrir uma empresa?
✅  Jornada do empreendedor: Opção tributária
✅ Jornada do empreendedor: Manutenção/contratação de funcionários
✅ Jornada do empreendedor: Prolabore x lucro
✅ Jornada do empreendedor: Investimentos

Jornada do Empreendedor Matriz: Pró-labore ou distribuição de lucros?

No post passado comentamos sobre a operacionalização do negócio no que tange a contratação e manutenção de funcionários. Hoje falaremos sobre a remuneração dos sócios, que pode ser realizada através do pagamento de pró-labore ou distribuição de lucros.


PRÓ-LABORE

O Pró-labore é uma remuneração, que pode ser periódica, através de folha de pagamento que é paga aos sócios que realizam atividades laborais na empresa. Com essa forma de remuneração é possível contribuir para a previdência, porém existe o desconto do Imposto de Renda.

Além disso, para gerar a folha do Pró-labore é necessário o auxílio de um profissional da área do Departamento Pessoal. A elaboração da folha de Pró-labore é um dos serviços oferecidos na terceirização do departamento.

O valor mínimo que um pró-labore pode ter é de um salário mínimo vigente, mas não existe um valor específico para esta remuneração, podendo variar de acordo com o que o mercado aplica para a função exercida. O importante em relação à remuneração é estudar e prever o caixa para evitar futuros prejuízos.

DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS

Já em relação à distribuição de lucros, como o nome sugere, refere-se ao repasse do valor do lucro do negócio para o sócio. Nesse caso, mesmo que o sócio não possua uma função na empresa, ao final do exercício, ele pode receber lucros. Além disso, até o momento, a distribuição de lucros é isenta de tributos. Contudo, não é possível contribuir para o INSS nesta modalidade.

A periodicidade e o valor da distribuição ocorrem de forma proporcional ao capital social, ou ao acordado para cada sócio no contrato social da empresa, e o mesmo sócio pode receber ambas as remunerações (distribuição de lucro e pró-labore), desde que o negócio tenha gerado lucro no período.

Dependendo do contexto e da opção tributária da empresa, a retirada do pró-labore, mesmo com a retenção do Imposto de Renda, pode ser estratégica no aspecto tributário.

Para entender melhor sobre a estratégia mais vantajosa de remuneração aos sócios é necessário consultar um contador de confiança, que analisará todos os aspectos relacionados ao tema para uma tomada de decisão mais assertiva.

Conte com a gente! 

A Matriz Contábil conta com profissionais qualificados e com anos de experiência no mercado preparados para atender à sua empresa.

Ainda temos outros assuntos importantes que virão pela frente nesta Jornada do Empreendedor Matriz, quando falaremos sobre Investimentos. Acompanhe sempre os nosso blog e receba nossos e-mails informativos.

WhatsApp: (81) 99860-0157 ou pelo e-mail: matriz@matrizcontabil.com.br

✅  Jornada do empreendedor: Plano de negócios
✅  Jornada do empreendedor: Como abrir uma empresa?
✅  Jornada do empreendedor: Opção tributária
Jornada do empreendedor: Manutenção/contratação de funcionários
Jornada do empreendedor: Prolabore x lucro
Jornada do empreendedor: Investimentos

Jornada do Empreendedor Matriz: Manutenção e Contratação de funcionários

Empresa constituída e opção tributária já definida é hora de trabalhar na operacionalização do negócio. 

Existem empresas onde os sócios fazem o trabalho operacional e a remuneração pelo serviço é paga em forma de lucro ou prolabore. Falaremos mais sobre as principais diferenças entre os tipos de remuneração aos sócios no nosso próximo post. 

Porém, existem empresas que precisarão de colaboradores para funcionar. Nesses casos é importante ter conhecimento dos processos necessários para a contratação desses funcionários e os recursos necessários para promover a manutenção dos colaboradores. 

No plano de negócios desenhamos o corpo operacional da empresa, onde definimos os cargos e quantidade de colaboradores para cada função. É com base nesse desenho que iniciamos os processos de recrutamento e seleção de candidatos, levando em consideração a experiência e demais competências necessárias à função. 


Abaixo encontram-se as demais informações a serem definidas para contratar os funcionários da sua empresa: 

  • Jornada de trabalho (horários e dias da semana)
  • Benefícios (vale alimentação, vale transporte, plano de saúde, etc.)
  • Faixa salarial (de acordo com o piso da categoria)
  • Data de admissão
  • Período de experiência (máximo de 90 dias)

Vale destacar que os itens acima precisam estar de acordo com as leis vigentes, que podem definir uma série de regras em relação ao desconto de benefícios, períodos de descanso e demais fatores. 

Candidatos selecionados é hora de reunir os documentos necessários para a contratação. Para isso será necessário o apoio de um profissional experiente em contratações, com o suporte e acesso aos portais para efetivar o vínculo entre o colaborador e a empresa. 

Dependendo do porte de cada negócio, a empresa pode optar por internalizar um Departamento Pessoal para manutenção dos funcionários (geralmente empresas de grande porte que sentem a necessidade de um departamento dedicado aos colaboradores) ou terceirizar os serviços do Departamento Pessoal, reduzindo assim os custos operacionais da empresa. 


A seguir trataremos dos documentos necessários atualmente para o registro do funcionário na empresa. 

  • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)
  • RG e CPF
  • Título de eleitor
  • Certificado de reservista, se do sexo masculino
  • Exame de saúde (admissional)
  • 01 foto 3×4 recente
  • Certidão de nascimento e/ou casamento
  • Comprovante de endereço (xérox, conta de água, luz, telefone)
  • Certificado de escolaridade
  • Número do PIS

Caso o colaborador possua filhos de até 14 anos existe o benefício do salário família que vai variar de acordo com alguns aspectos como a idade dos filhos e o valor da remuneração mensal. Para isso é preciso apresentar documentos referentes aos dependentes como certidão de nascimento, carteira de vacinação, CPF e documento de comprovação semestral de frequência na escola. Saiba mais sobre o salário família clicando AQUI.


Assim como as demais despesas, é preciso planejar e gerenciar os recursos necessários para a manutenção dos funcionários na operação, garantindo assim que seja contratada e mantida a quantidade ideal de colaboradores para o desenvolvimento sustentável do negócio. 

O valor do custo de um funcionário para empresa pode variar de acordo com os benefícios concedidos, comissões, faixa salarial e regime tributário (link do post anterior). 

Para calcular quanto um funcionário custa por mês é preciso considerar os seguintes itens: 

  • Férias;
  • 13º salário;
  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS);
  • Vale-transporte (direito garantido por lei, deve-se considerar os ônibus que o colaborador utiliza e multiplicar por 22 dias).

Não consideraremos neste exemplo os gastos com os benefícios opcionais porque podem variar de acordo com a categoria e o local. Além disso, consideraremos o regime tributário da empresa como o Simples Nacional.

SalárioR$ 1.100,00
8% FGTS/mêsR$ 88,00
FériasR$ 91,67
1/3 de fériasR$ 30,56
13º salárioR$ 91,67
8% de FGTS anualR$ 17,11
Vale transporteR$ 99,00
CUSTO TOTAL/MÊSR$ 1.518,00
Não consideramos neste exemplo os gastos com os benefícios opcionais porque podem variar de acordo com a categoria e o local. Além disso, consideraremos o regime tributário da empresa como o Simples Nacional.

Nesse caso, um funcionário com faixa salarial de 1 salário mínimo atual pode custar para a empresa cerca de R$ 1.518,00 por mês. Lembrando que o colaborador contribui com o pagamento do INSS e de 6% do salário para o vale transporte. 

Já para empresas do Lucro Presumido é preciso realizar o pagamento de outras taxas como salário educação, seguro acidente de trabalho e Sistema S (SEBRAE, SENAI ou SESI). 

Várias outras questões podem interferir nos cálculos dos custos de um funcionário, como convenções de determinadas categorias, suspensões e reduções de contratos (que foram realizados durante o auge da pandemia), variações de preço das passagens, comissões concedidas, reajustes, dentre outros fatores. 

Diante de tantas variações que podem surgir, é importante que o negócio conte com o acompanhamento de profissionais qualificados e em constante atualização em relação às leis, decretos, convenções e contextos referentes à manutenção dos funcionários.

Pensando nisso, a Matriz Contábil oferece assessoria trabalhista tanto para empresas quanto para pessoa física (doméstico e CEI), para que você foque no que mais importa, o seu negócio. Entre já em contato e realize a terceirização do Departamento Pessoal com a segurança e a qualidade dos nossos profissionais. 

Conte com a gente! 

WhatsApp: (81) 99860-0157 ou pelo e-mail: matriz@matrizcontabil.com.br

✅  Jornada do empreendedor: Plano de negócios
✅  Jornada do empreendedor: Como abrir uma empresa?
✅  Jornada do empreendedor: Opção tributária
✅ Jornada do empreendedor: Manutenção/contratação de funcionários
✅ Jornada do empreendedor: Prolabore x lucro
✅ Jornada do empreendedor: Investimentos

Jornada do Empreendedor Matriz: opção tributária

A escolha do regime tributário é um dos passos mais importantes para o sucesso de uma empresa. A escolha errada pode implicar que a empresa pague mais do que de fato precisa, comprometendo assim a saúde financeira do negócio. Antes da escolha, é importante conhecer os três tipos de regimes de tributação que podem ser adotados pelas empresas. 


Simples Nacional

O Simples Nacional, foi desenvolvido especialmente para microempresas e empresas de pequeno porte, para minimizar o processo de arrecadação para esses negócios. Para aderir a essa opção, é preciso que o empreendimento atenda a alguns requisitos:

1 – Se enquadrar como Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte

  • Para se enquadrar como Microempresa é necessário que o limite do faturamento seja igual ou inferior a R$ 360 mil
  • Para as Empresas de Pequeno Porte (EPP) o faturamento deve estar entre R$ 360 mil e R$ 4,8 milhões

 2 – Estar enquadrada entre as atividades previstas na lei do Simples Nacional

  • A atividade exercida pela empresa precisa estar inserida em algum dos anexos da Lei Complementar nº 123/06

Benefícios do Simples Nacional

Quem opta pelo Simples faz o recolhimento de vários tributos (IRPJ, CSLL, PIS, Cofins, IPI, ICMS, ISS e INSS) por meio de uma guia única de arrecadação. Assim, todos esses tributos são pagos de maneira única e com alíquota diferenciada, facilitando bastante o processo de arrecadação.


Lucro Real

Esse regime de tributação é utilizado, em grande parte, por multinacionais e empresas de grande porte, e sua tributação é calculada conforme o lucro líquido obtido durante o ano. As empresas que atendem a dedução do Lucro Real devem fazer a adesão do regime.

Dessa forma, todas as empresas que possuam faturamento superior a R$ 78 milhões, ou que atuam no mercado financeiro e possuam lucros e rendimentos no exterior devem aderir ao Lucro Real.

* Para quem adere ao regime as alíquotas são as seguintes:

  • Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas é 15% sobre o lucro (regra)
  • Contribuição sobre o Lucro Líquido tem a alíquota de 9% sobre o lucro

Benefícios do Lucro Real

  • Caso a empresa feche o ano com prejuízo, ela não terá obrigação do pagamento de tributos desse período. O prejuízo será utilizado como crédito para compensar nos próximos exercícios
  • Opção de realizar a apuração tributária trimestral ou anual

Lucro Presumido

Nessa modalidade, a tributação não é calculada tendo como exemplo o lucro verdadeiro da empresa. Existe um lucro presumido que varia conforme a atividade desenvolvida por ela, variando entre 1,6% e 32% da receita.

Diferente dos regimes anteriores, para o Lucro Presumido, não existem requisitos a serem seguidos. Basta que as empresas possuam um faturamento anual inferior a R$ 78 milhões. 

As alíquotas aplicadas neste regime são as mesmas utilizadas no regime de Lucro Real e as empresas enquadradas no Lucro Presumido não possuem qualquer direito de abatimento, crédito ou dedução, devendo acumular contribuição. 


Como visto, existem inúmeras diferenças entre essas três opções. Além disso, dependendo de algumas variáveis como a atividade da empresa, existência ou não de funcionários, dentre outras questões, as vantagens e desvantagens entre os regimes podem variar.  

Desse modo, é importante o auxílio de um profissional experiente na hora de escolher a opção ideal que trará mais benefícios às empresas na medida que evitará pagar mais do que precisa.

Na Matriz Contábil os nossos especialistas realizam estudos periódicos para identificar se o cliente Matriz está enquadrado na opção tributária que oferece os maiores benefícios ou se está na hora de trocar de regime.

Conte com a gente! 

Entre em contato com a gente através dos nossos canais: 

WhatsApp: (81) 99860-0157 ou pelo e-mail: matriz@matrizcontabil.com.br



Confira o que já publicamos nessa nossa Jornada do Empreendedor Matriz e o que ainda vem por aí:

✅  Jornada do empreendedor: Plano de negócios
✅  Jornada do empreendedor: Como abrir uma empresa?
✅  Jornada do empreendedor: Opção tributária
✅ Jornada do empreendedor: Manutenção/contratação de funcionários
✅ Jornada do empreendedor: Prolabore x lucro
✅ Jornada do empreendedor: Investimentos

Jornada do Empreendedor Matriz: Como abrir uma empresa?

Após a tomada de decisão e o planejamento do negócio (acesse o nosso modelo clicando aqui), o próximo passo será a abertura da empresa. Abaixo listamos os procedimentos necessários nessa fase:

  • Definir o tipo da empresa
  • Escolher 3 opções de nomes 
  • Selecionar as atividades do negócio de acordo com a classificação de atividades econômicas (CNAEs)
  • Definir o regime tributário (sugerimos consulta com um especialista para definição da melhor opção)
  • Elaborar o Contrato Social
  • Registro no órgão competente 
  • Inscrição estadual (para empresas de comércio)
  • Inscrição municipal
  • Alvarás de localização e funcionamento e demais licenças
  • Registro no conselho de classe

Durante todo o processo é importante o acompanhamento com profissionais qualificados e experientes em abertura e legalização para analisar os melhores cenários e gerar comodidade na realização das etapas. 

Seguindo os tópicos, tendo planejado como a empresa vai funcionar no operacional e construído as projeções de fontes de receitas, é possível pensar no tipo de empresa que será escolhido. Vale ressaltar que cada tipo de empresa possui especificidades que podem agregar ou limitar o seu negócio. 

Saiba mais sobre os diferentes tipos de empresas no nosso blog. 

O nome empresarial também é um passo importante para a abertura e geralmente são solicitadas 3 opções de nomes diferentes, onde um deles será credenciado como oficial após análise.

Para registro em órgãos e emissão de notas fiscais também é preciso escolher quais atividades econômicas o seu negócio operacionalizará no dia a dia. Por exemplo, um consultório de dentista terá como atividade principal a atividade odontológica (código 86.30-5-04). 

Porém é preciso estudar bem a escolha das atividades, visto que elas irão impactar diretamente na alíquota dos impostos a serem pagos. Além disso, para prestar determinada atividade é preciso que esta esteja cadastrada no CNPJ da empresa a fim de emitir a nota fiscal correspondente. Ou seja, não é possível prestar serviços de consultoria financeira utilizando um código de atividade de comércio varejista. Nesse caso, a consulta a um profissional da área de abertura e legalização pode fazer toda a diferença 

Ainda em relação às alíquotas dos impostos, uma escolha que possui ligação direta com a geração dos impostos é a escolha da opção tributária que pode ser Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real.

A opção Simples Nacional pode ser mais vantajosa para negócios que estão dando os primeiros passos por possui alíquotas mais baixas em determinadas situações e menor burocracia. Contudo, existem situações onde o Lucro Presumido ou o Lucro Real podem ser mais estratégicos que o Simples. Sendo assim, é recomendada a consulta com um especialista na área para auxiliar na melhor escolha. 

Acompanhe nossos próximos conteúdos para saber mais sobre cada opção e suas restrições e oportunidades. 

Em seguida é necessário elaborar o Contrato Social da empresa, onde serão informados os dados dos sócios, de como será a administração, das cotas, etc. 

Este documento será necessário para diversos procedimentos, como abertura de conta bancária e obtenção do certificado digital.

Após esse procedimento o próximo passo é protocolar o pedido de registro no órgão competente (a depender da natureza jurídica) com os documentos solicitados pelo órgão, que pode variar de acordo com o estado e a cidade que a empresa será registrada. 

Registro deferido é a hora de manter o CNPJ (Cadastro nacional de pessoa Jurídica) e CIM – Cadastro de Inscrição Mercantil) obtido em mãos e, dependendo da Natureza jurídica, dar entrada na inscrição municipal e estadual no respectivo estado e município que a empresa está inserida. Vale ressaltar que a inscrição estadual não é obrigatória para empresas de serviços, mas a inscrição municipal é necessária para todas as empresas. Além disso, é através das prefeituras que as notas fiscais podem ser emitidas. 

Em seguida, a etapa final do processo está na obtenção dos alvarás e licenças, que autorizam a empresa a funcionar em determinado local, seguindo determinadas regras. Desse modo, é importante planejar adequadamente o local que o negócio funcionará já no plano de negócios, visto que alguns ambientes não permitem a obtenção de alvará por determinados motivos como por exemplo a falta de acessibilidade. Destacamos também que empresas que estão registradas em endereços fiscais (ou seja, não atuam em endereço físico), são dispensadas da necessidade de alvará. 

Além dos alvarás, existem outras licenças e inscrições em órgãos que são necessárias a depender da atividade do negócio, como a licença ambiental, licença sanitária, inscrição no Conselho Regional de Medicina, entre outras. 

Após a realização dos procedimentos de abertura e legalização as empresas podem funcionar de acordo com as normas e precisarão do acompanhamento de um profissional contábil para manutenção serviços importantes como a elaboração dos impostos, envio de declarações e registro da escrituração contábil. Com isso, a empresa pode funcionar sempre em dia com as obrigações e projetar o seu crescimento com a segurança necessária. 

Deseja abrir o seu negócio com o apoio de especialistas na área? Entre em contato através dos nossos canais: 

WhatsApp: (81) 99860-0157 ou pelo e-mail: matriz@matrizcontabil.com.br


Confira o que já publicamos nessa nossa Jornada do Empreendedor Matriz e o que ainda vem por aí:

✅  Jornada do empreendedor: Plano de negócios
✅  Jornada do empreendedor: Como abrir uma empresa?
✅  Jornada do empreendedor: Opção tributária
✅ Jornada do empreendedor: Manutenção/contratação de funcionários
✅ Jornada do empreendedor: Prolabore x lucro
✅ Jornada do empreendedor: Investimentos

Jornada do Empreendedor Matriz Contábil: Plano de Negócios

O primeiro passo para empreender configura na própria tomada de decisão de empreender. A partir disso caminhamos para as próximas rotas rumo à abertura do negócio. Porém, entre a tomada de decisão e o processo de abertura existe grande dúvida: por onde começar?

Os negócios podem nascer de grandes ideias inovadoras, de legados familiares ou de expansão de negócios já consolidados. Desse modo, o objetivo e as características do negócio precisarão estar alinhados com o desenvolvimento sustentável da empresa. Ou seja, o gerenciamento dos recursos para manter a empresa e crescer.

Dito isso, pode-se afirmar que tudo começa com o planejamento.

Antes de embarcar no robusto plano de negócios e realizar um reflexo mais abrangente do mercado e da empresa, existem uma série de ferramentas que promovem exercícios de organização de recursos e atividades. Dentre elas está uma ferramenta desenvolvida pelo empreendedor Alex Osterwalder, chamada de Business Model Canvas, mais conhecida simplesmente como Canvas.

A ferramenta é simples, porém inteligente, e faz com que o empreendedor idealize nove aspectos do negócio que serão primordiais para o bom desenvolvimento das suas atividades, além de validar se a ideia a ser empreendida é sustentável. Você pode acessar o nosso modelo clicando aqui (dica: use post-it para preencher).

Agora que já realizamos uma idealização dos principais aspectos que envolvem o negócio, é hora de descrevê-los com mais detalhes.

O plano de negócios é um instrumento que permite estudar o ambiente e refletir sobre os diversos aspectos relacionados ao empreendedorismo e suas metodologias, para que o empreendedor possa planejar de forma estratégica as suas ações.


O documento sugerido é desenvolvido conforme a descrição de 6 grandes tópicos, listados abaixo:

1. Características e informações

  • Missão, visão e valores
  • Setor de atividade
  • Forma jurídica
  • Capital social
  • Fonte de recursos

2. Análise de mercado

  • Estudo dos clientes
  • Estudo dos concorrentes
  • Estudo dos fornecedores

3. Análise da Matriz Swot

  • Forças
  • Fraquezas
  • Oportunidades
  • Ameaças

4. Plano de Marketing

  • Descrição dos principais produtos e serviços
  • Estratégias de precificação
  • Estratégias de promoção
  • Estrutura de comercialização (como funcionará)
  • Localização do negócio

5. Plano Operacional

  • Capacidade produtiva dos serviços (quanto em quanto tempo)
  • Processos operacionais (descrição das atividades internas do negócio e das ações do cliente ao consumir)
  • Necessidade de pessoal (relacionar os colaboradores que serão necessários na operação)

6. Plano Financeiro

  • Estimativa dos investimentos pré-operacionais (gastos com advogados, alvarás, contrato social, etc.)
  • Estimativa dos investimentos operacionais fixos (itens que serão adquiridos para iniciar o negócio como compra de mesas, eletrônicos, etc.)
  • Capital de giro (valor suficiente para manter os custos mensais durante um período determinado de tempo)
  • Investimento total (soma dos itens anteriores)

Ao final do exercício o empreendedor terá uma ampla visão dos processos e recursos necessários para passar para o próximo passo: a abertura da empresa.


Já está pronto(a) para dar o próximo passo rumo à abertura do seu negócio? Ainda teremos uma sequência de outras orientações nesta Jornada do Empreendedor Matriz Contábil.

✅  Jornada do empreendedor: Plano de negócios
✅  Jornada do empreendedor: Como abrir uma empresa?
✅  Jornada do empreendedor: Opção tributária
✅ Jornada do empreendedor: Manutenção/contratação de funcionários
✅ Jornada do empreendedor: Prolabore x lucro
✅ Jornada do empreendedor: Investimentos

Acompanhe nosso blog, compartilhe e entre em contato através dos nossos canais abaixo e contrate agora os serviços de abertura e legalização da sua empresa com os nossos profissionais especializados.

WhatsApp (81) 99860-0157

e-mail matriz@matrizcontabil.com.br

Sistema de gestão financeira. O que é e quais são os benefícios?

O sistema de gestão financeira é um software que objetiva organizar as finanças das empresas. Para isso, dispõe de ferramentas de armazenamento e gerenciamento das informações, automatizando os processos e permitindo uma visão geral dos dados.

Pensando nisso, listamos algumas vantagens da utilização do sistema para as empresas.

Otimização do tempo e das informações

Processos que antes duravam horas de separação e classificação de documentos e preenchimento manual em planilha podem ser facilmente substituídos pelo gerenciamento de informações dentro do sistema de gestão financeira, economizando tempo e gastos com impressão/digitalização. Além disso, gera uma comunicação mais eficiente com a contabilidade, facilitando o envio das informações.

Controle do Faturamento

A emissão de notas fiscais atrelada ao controle dos recebimentos é mais um benefício da utilização de sistemas de gestão financeira na sua empresa. Além da otimização da tarefa de emissão de notas, o registro das contas a receber em nuvem facilita a conferência das entradas no dia a dia, como por exemplo quais clientes pagaram em determinada data e quais ainda não realizaram o pagamento e como isso afetará o caixa da empresa.

Geração de relatórios

Com base nas informações inseridas regularmente no sistema, é possível gerar relatórios gerenciais dentro da própria plataforma, onde se pode estudar o fluxo de caixa, gerenciar as contas a pagar e identificar clientes inadimplentes. Além disso, informações relevantes que auxiliam na tomada de decisão podem ser obtidas no sistema como: variação de preço de algum fornecedor, quais produtos estão vendendo mais, variação de faturamento para identificação de períodos de alta e baixa demanda ou o funcionário que mais se destacou nas vendas durante determinado período, por exemplo.  

Evitar a falha humana e ajudar a identificá-las

Caso uma despesa não tenha sido aprovada no banco a tempo da data limite, o sistema alertará o usuário sobre tal pagamento não identificado até a data do vencimento, permitindo que a empresa regularize as despesas o mais rápido, evitando assim o acúmulo de juros e multa de impostos e fornecedores.

Além disso, informações incorretas que não batem com o sistema não são aceitas, o que permite ao usuário checar novamente suas informações e registrá-las corretamente. Tal conferência não ocorre facilmente em outros tipos de controle, como as planilhas, que dependem unicamente da informação inserida e geralmente não possuem a programação para entender se algo está errado.

Nesse texto listamos algumas vantagens de utilizar um sistema de gestão financeira, contudo, as possibilidades de aproveitamento da plataforma são vastas, a depender do seu uso.

Ficou interessado(a) em otimizar o dia a dia da sua empresa com o uso de uma ferramenta de gestão financeira completa? Entra em contato e estudaremos a melhor solução para o seu negócio.

Conte com a gente!

Adeus, Eireli! Olá, Sociedade Limitada Unipessoal

A Lei nº. 14.195/2021 acabou com as EIRELI (empresas individuais de responsabilidade limitada) e migrou todos empresários para figurarem como Sociedade Limitada Unipessoal

Material publicado por JUSDOC em 09/2021

Empresas Individuais de Responsabilidade Limitada agora figurarão como Sociedade Limitada Unipessoal

A EIRELI acabou?

Sim! A Lei nº. 14.195/2021 acabou com as EIRELI (empresas individuais de responsabilidade limitada).

A EIRELI era um tipo societário também composto por apenas um sócio, e não era regida por um contrato social – bastando o ato constitutivo de registro na Junta Comercial.

O titular de uma EIRELI não poderia ser sócio de outra EIRELI. Mas pode ser sócio de outras sociedades – limitada ou anônima, por exemplo.

Agora, toda EIRELI passa a ser uma sociedade limitada unipessoal.


O que preciso fazer para transformar a EIRELI em SLU?

Nada. Segundo o Art. 41 da Lei nº. 14.195/2021, esta transformação se dá de forma automática, não sendo necessário sequer alterar seu ato constitutivo.


O que é uma sociedade limitada unipessoal?

A sociedade limitada unipessoal (SLU), é uma sociedade por quotas, as quais podem pertencer a pelo menos uma pessoa.

Neste caso, a sociedade é regida por um contrato social, no qual deve ser nomeado um administrador – mesmo que exista apenas um sócio. Um bom modelo de contrato social é encontrado no site JusDocs.

De resto, ela funciona exatamente como uma sociedade limitada com dois ou mais sócios.

Sua vantagem é que, caso a sociedade tenha dois (ou mais) sócios, e um deles queira se retirar ou venha a falecer, não é mais necessário buscar um outro sócio ou extinguir a sociedade – bastando convertê-la em sociedade unipessoal.

Até 31/08/2021, a SLU convivia, com diferenças, da empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI). 

Porém, a Lei nº. 14.195/2021, de 26 de agosto de 2021, mudou essa situação!


E o que é um MEI?

Diferente da sociedade limitada unipessoal e da EIRELI, o microempreendedor individual (MEI) não é uma empresa, mas uma ficção jurídica criada pela LC 128/2008.

Exato. Embora tenha o CNPJ, o MEI existe apenas para regularizar o empreendedor perante o fisco e a previdência.

Ele pode emitir NFs, o que facilita a venda para diversas empresas – que só compram com emissão de NF.

É importante lembrar que o titular da MEI não pode ser sócio de nenhuma outra sociedade.


Qual o limite de faturamento do MEI?

O MEI não pode faturar mais de R$ 81.000,00 por ano ou R$ 6.750,00 por mês.

projeto de lei nº. 108/2021 está em tramitação prevendo o aumento deste limite.

Assim, o limite de faturamento do MEI passaria a ser R$ 162.000,00 por ano, ou R$ 13.500,00 por mês.


Diante de tantas opções é preciso estudar bem os cenários para decidir qual o tipo de empresa ideal para os objetivos do seu negócio. Após a decisão, ainda é preciso dar andamento aos procedimentos de abertura e legalização junto aos órgãos responsáveis e decidir sobre o regime tributário e os códigos das atividades que serão exercidas.

Precisando de ajuda para abrir a sua empresa? A Matriz Contábil pode te ajudar!

Contamos com profissionais capacitados e com anos de experiência em abertura e legalização de empresas.

Fale já com os nossos profissionais: mande uma mensagem através do nosso canal de WhatsApp (81) 99860-0157 ou através do e-mail matriz@matrizcontabil.com.br

Sabia que você pode recuperar mais de 40 meses do PIS e COFINS pagos?

Com base na decisão mais recente do STF (05/2021) a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional autorizou que as empresas recuperem os valores recolhidos indevidamente sem que haja a necessidade de ação judicial.

  • Como a gente te ajuda? 

Prestamos consultoria acerca das possibilidades e valores a recuperar. 

  • Quer saber mais? 

Acesse o nosso > FORMULÁRIO < para adiantar dados que serão necessários.

  • Gostou da solução e quer recuperar o imposto pago? 

Preencha o nosso formulário inicial e entraremos em contato com você! 

Conte com a gente!

Lei determina o afastamento da gestante do trabalho presencial durante a pandemia

A Lei 14.151 de 12 de maio de 2021 foi sancionada e publicada no Diário Oficial da União. Ela dispõe sobre as atividades relacionadas ao trabalho de empregadas gestantes, durante o mencionado período de emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus. 

De acordo com o documento, a empregada gestante deverá permanecer afastada das atividades de trabalho presencial. Ela exercerá atividades de trabalho remoto, em seu domicílio. Além disso, a Lei informa que a gestante não terá prejuízo na sua remuneração

Algumas empregadas já praticam as atividades por meio de teletrabalho, trabalho remoto ou outra forma de trabalho a distância. Neste caso, o documento é uma garantia da não redução na remuneração.

Contudo, surge a dúvida em relação às empregadas que não podem realizar o trabalho de forma remota, como é o caso das empregadas domésticas. 

Uma alternativa nesse contexto é a suspensão do contrato, de acordo com o disposto na Medida Provisória nº 1.045, de 27 de abril de 2021.

Entretanto, caso seja realizada a suspensão de contrato levantamos dois pontos importantes: 

  • Como a gestante não terá prejuízo na sua remuneração, entende-se que nos casos onde o pagamento do benefício for inferior ao salário da empregada, o empregador complementará o pagamento; 
  • A empregada com contrato suspenso, além da estabilidade de 5 meses após o parto, também terá somado para a estabilidade provisória, o período de suspensão do contrato.

Confira a publicação oficial da Lei 14.151 de 12 de maio de 2021 clicando aqui.

Leia mais sobre a medida provisória que apresenta a redução/suspensão de contrato clique aqui.


Em caso de dúvida, entrem em contato conosco através do nosso telefone (81) 3031-2795 ou do nosso atendimento via Whatsapp (81) 99860-0157.